EDUCAÇÃO FINANCIERA E SUSTENTABILIDADE

Luciana Troca Dantas, Chang Kuo Rodrigues

Resumo


Educação Financeira é um projeto que se desenvolve ao longo da vida dos indivíduos e pressupõe a preparação deles para que sejam consumidores responsáveis, informados e exigentes, com a promoção permanente de seu desenvolvimento pessoal e profissional, ensejando o reforço da cidadania e desenvolvimento de valores, resultando em uma sociedade civil mais ativa e dinâmica.

É preciso preparar as crianças para serem consumidores informados e responsáveis, pois elas terão, quando adultas, um alto grau de exigência e de responsabilidade com o planeta e com seu futuro. Questões atualmente delegadas ao Estado terão que ser absorvidas, principalmente nos quesitos acesso aos serviços de saúde, preparação da aposentadoria e sustentabilidade do planeta. A Educação Financeira é fundamental e imprescindível para sua formação pessoal, permitindo-lhes adaptar comportamentos e atitudes no futuro.

Segundo o professor Niskier (2012), em seu livro Sustentabilidade e Educação, para promover um modelo de desenvolvimento sustentável, deve-se investir fortemente na educação dos mais jovens. Estimulando a conscientização ecológica desde cedo, estar-se-á preparando cidadãos para promover o crescimento econômico, atrelado ao desenvolvimento tecnológico de forma sustentável, levando em conta a inclusão social e a preservação do meio ambiente. Há um longo caminho a percorrer.

A Educação Financeira das crianças é fundamental para uma alteração comportamental a médio prazo. Segundo Ferreira (2013), em seu livro Educação Financeira das Crianças e Adolescentes, a forma como a família se relaciona com os aspectos financeiros, sem dúvida irá condicionar a formação dos futuros adultos e, agora, a escola também pode ajudar.

Ensinar a criança a ser um consumidor ponderado, informado e responsável, é essencial para evitar o desperdício e o consumismo exagerado e preparação para questões de sustentabilidade do planeta.

Crianças que são estimuladas a desenvolver consciência financeira, no futuro irão se tornar adultos mais responsáveis e preocupados com o meio ambiente, deixando a prática do consumo pelo consumo, planejando seus gastos, ficando longe de atividades que possam comprometer seus objetivos e seu futuro.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, a interação do ensino de Matemática com os Temas Transversais é uma questão que deve ser mais explorada, visto que o ensino de Matemática contribui para a formação integral do aluno, com vistas à conquista da cidadania. O desenvolvimento de projetos surge como uma boa alternativa de organizar os conteúdos pedagógicos, conferindo-lhes significados. A compreensão das questões ambientais pressupõe um trabalho interdisciplinar em que a Matemática está inserida.

Uma sociedade sustentável, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, é a que vive em harmonia, respeitando e cuidando dos seres vivos (ética); melhorando a qualidade de vida dos homens; conservando a vitalidade e a diversidades do planeta; minimizando o esgotamento de recursos não-renováveis; permanecendo dentro dos limites de capacidade de suporte do planeta; modificando atitudes e práticas pessoais (valores e comportamento); permitindo a iniciativa das comunidades de cuidar do seu próprio ambiente; gerando uma estrutura nacional para a integração de desenvolvimento e conservação; construindo uma aliança global entre todos os povos, visto que a sustentabilidade é uma preocupação mundial. Todos os cidadãos têm o direito de viver num ambiente agradável, saudável, com água e ar puros, com vegetação natural, logo, defender esses direitos é um dever de todos os cidadãos e refletir sobre essas questões é tarefa essencial de todo educador.

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo1, o percentual de famílias que relataram ter dívidas entre cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguros alcançou 62,7% em agosto de 2015. Uma questão importante é: como melhorar esse quadro a curto e longo prazo? Que medidas podem ser tomadas pelo Governo para diminuir o endividamento das famílias? A implantação da Educação Financeira nas escolas tende a ser uma boa solução a médio e longo prazos.

A partir da leitura de obras relacionadas ao assunto e da própria experiência da pesquisadora na prática escolar, esta pesquisa visa refletir sobre a Educação Financeira e Sustentabilidade nas escolas, com o intuito de apresentar e analisar didaticamente, uma sequência de ensino para a construção de conceitos de Educação Financeira e Sustentabilidade, para alunos do 4º ano do Ensino Fundamental. Buscar-se-á, pelas atividades propostas, elaborar uma sequência didática para construção de um produto educacional, que incentive os alunos a refletir para agir em prol de terem um consumo mais consciente e sustentável.

Nos trabalhos de Cerbasi (2012), há uma perspectiva lúdica de Educação Financeira e Sustentabilidade, e diante disso, pretende-se adaptar algumas ideias, construindo uma sequência didática, com 10 atividades, visando um processo de ensino e de aprendizagem mais eficiente.

 

Palavras-chave: Educação Matemática. Educação Financeira. Sustentabilidade. Sequência Didática.

 

Referências

 

CERBASI, Gustavo; SOUSA, Maurício. Descobrindo o valor das coisas: o guia da educação financeira para pais e professores ensinarem seus filhos brincando. 1 ed. São Paulo: Editora Gente, 2012.

FERREIRA, Ricardo. Educação Financeira das Crianças e Adolescentes. 1 ed. Lisboa: Escolar, 2013.

Niskier, Arnaldo. Sustentabilidade e Educação. 1 ed.. São Paulo: SESI-SP, 2012.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.